• Joseane Terto

Formação de futuros leitores: roda de leitura


Quem não fica encantado ao sentar com seus amiguinhos numa roda de leitura, em que olhos atentos estão esperando por mais uma história encantadora e cheia de tramas, em que possamos viajar no mundo mágico da ficção e da descoberta?


Pois bem, enquanto que para o estudante esta é uma atividade simples que basta ficar atento, com olhos cheios de expectativa esperando a leitura pela professora ser realizada, existe por trás desta atividade um planejamento sério e com grandes desafios ao professor, inclusive na definição de um objetivo que seja atendido pelo encaminhamento sistematizado de ações.


Hoje, vamos falar um pouco sobre o desafio de ensinar as crianças a desenvolverem comportamentos leitores e isso impacta diretamente na forma que organizamos esta atividade, desde a escolha certa do livro a ser lido pela professora, como na forma que ofertamos a atividade.


Escutar uma história não torna o estudante um leitor, muitos professores ainda acreditam que basta contar histórias que as crianças irão desenvolver habilidade de se tornar leitor, para ir além da valorização do prazer da leitura, temos que sair do modo mecânico que as rodas de leitura se apresentam. A este respeito, as autoras Débora Rana e Silvana Augusto [1] afirmam que muitos professores prometem uma leitura ao final da aula como uma espécie de prêmio ao bom comportamento da turma ou como momento de entretenimento ou distração. 

Esta formação de tornar o estudante leitor implica em ler para a criança como forma de ensiná-la como se faz para ler e com isso incentiva os alunos a apreciar o texto e ter o gosto pela leitura.

Para formar bons leitores na escola é preciso ter sistematização nas atividades ofertadas, pensar nas habilidades que a BNCC apresenta e que correspondem ao ano de escolaridade do aluno conforme o Quadro de objetivos de aprendizagem e desenvolvimento por ano de escolaridade, apresentado abaixo:


Portanto, para formar futuros leitores é importante ler todos os dias para os estudantes, sempre com o cuidado de dar continuidade na leitura do texto para que as crianças possam aprender a história pelo contexto, compreendendo o sentido da história. Em relação aos gêneros trabalhados, para que o aluno apreenda as características do gênero e suas especificidades nas marcas linguísticas e estrutura composicional, o professor pode ofertar o gênero por meio de projetos ou de sequências didáticas, pois conforme a leitura é realizada a criança percebe que cada gênero tem uma escrita e um propósito específico.


Etapas para uma atividade de leitura com a turma


Para um bom planejamento na leitura com os alunos é importante dividir a atividade em quatro etapas: antes da atividade, no início da atividade, durante a atividade e após a leitura.


ETAPA 1: antes da atividade de leitura (AÇÃO DO PROFESSOR)

  • Selecionar um texto de qualidade e coerente com o tema que pretende trabalhar com a turma, sendo este adequado a idade dos alunos.

  • Realize a leitura previamente para conhecer toda a história e possa preparar como realizará a leitura, com adequações nas entonações de voz dos personagens e também selecionar em quais partes do texto dará ênfase e despertará a curiosidade dos alunos, com destaque as imagens e outros aspectos a serem observados.

  • Organizar o ambiente em que realizará a leitura, adequando o espaço com o uso de almofadas, tapete ou organizando as carteiras em círculo para se tornar acolhedor e agradável à leitura, de modo que todos se vejam e tenham acesso visual ao livro que o professor tem em mãos.


Etapa 2: início da leitura (AÇÃO DO PROFESSOR COM INTERAÇÃO DO ALUNO)

  • Apresentar o objetivo da leitura selecionada e o roteiro da atividade.

  • Apresentar o livro escolhido para leitura, mostrando a capa, seu título, o (a) autor (a), identificar e relacionar as imagens da capa, apresentar quem é o ilustrador, qual a editora e qual o gênero a ser trabalhado. Neste momento é importante o professor trabalhar a habilidade de inferência com os alunos, para que possam levantar hipóteses sobre qual o assunto que o livro trará e para as crianças que estão em estágio inicial na alfabetização, é importante o professor destacar aos alunos as letras iniciais do título da história, para que possam associar as letras e seus sons, reconhecendo a sílaba inicial e sugerindo qual a palavra escrita, além da associação com a imagem do livro e assim inferir sobre o assunto que o gênero textual trabalhado oferece.

  • Anunciar a leitura a ser feita apresentando o contexto da história, detalhes sobre o (a) autor (a) – caso tenha outros livros, fornecer informações sobre a vida e obra, sobre possíveis premiações que a obra tenha ou que o (a) autor (a) tenha recebido.

  • Antes de ler a história desperte o interesse dos alunos, para que fiquem atentos ao detalhes trazidos pelo professor, pois sabemos que as emoções criadas influenciam no processo de aprendizagem e que a motivação e a atenção são essenciais na qualidade do conteúdo a ser apreendido.


Etapa 3: durante a leitura (AÇÃO DO PROFESSOR COM INTERAÇÃO DO ALUNO)

  • Faça a leitura com entonação diferenciada, de acordo com o personagem, isso cria mais interação do leitor com a história. Fique atento e veja se todos estão curiosos com o andamento da história.

  • Como aqui a proposta é de ler uma história no livro, use a linguagem oral que está escrita, podendo realizar pequenas alterações e adaptações. Lembre-se ler é diferente de contar histórias (contação de forma livre, com o uso de recursos diversos como materiais estruturados (bonecas e objetos) ou não estruturados ( como um lápis que é uma flor, um garfo que vira um rei).

  • Adapte o tempo da leitura às condições de seus alunos.

  • Faça breves interrupções de acordo com a possibilidade de seus leitores: para criar suspense e fazer antecipações do que virá em seguida.

  • Possibilite que as crianças repitam, junto com o professor, algumas falas e músicas da histórias, as repetições são frequentes em histórias de acumulação e repetição.


Etapa 4: após a leitura (AÇÃO DO ALUNO)

  • Organizar a turma para que possam realizar comentários a respeito da história.

  • Instigar os alunos para propiciar a troca de opiniões e de diferentes pontos de vista em relação à história lida.

  • Oportunizar aos alunos a criação e a recriação de toda a história ou de partes dela (novo final ou inserir uma novidade e propiciar pensar diferente. E se.....).

  • Organizar de forma coletiva ou individual a reescrita da história (nesta atividade o professor poderá ser o escriba, caso seja necessário).

  • Construir coletivamente o sentido da história.

  • Ler alguns trechos da história para confirmar ou retificar as interpretações sugeridas (estratégia de verificação).

  • Organizar a turma em grupos ou duplas, de modo que possam representar por meio de imagens e/ou desenhos (também poderão inserir nas cenas elaboradas textos escritos, caso tenham domínio desta habilidade de escrita) de partes da história para montar um mural com a sequência da história e suas cenas.


[1] RANA, Débora; AUGUSTO, Silvana. Língua Portuguesa: Soluções para dez desafios do professor/1º ao 3º ano: do ensino fundamental. 1.ed. São Paulo: Ática Educadores, 2011. p. 51.


Elaborado por:


Profa. Valéria, doutora em Educação pela PUC-SP. Diretora Pedagógica na Apliqueducação onde cria e desenvolve jogos de alfabetização baseados em evidências de pesquisa por conta de sua longa e sólida experiência em sala de aula no Ensino Fundamental, incluindo o trabalho de com alunos da Educação Especial.

136 visualizações

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

© 2019 por Apliqueducação.

CONTATO

WhatsApp: 11 99667 8051

E-mail: contato@apliqueducacao.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram