• Joseane Terto

Paisagens sonoras e infância


A definição conceitual de “paisagem sonora” tornou-se conhecida a partir do trabalho produzido pelo canadense Murray Schaffer. Em suas pesquisas, o músico trabalha com a percepção de sons de diversos ambientes e usava estratégias para sensibilizar o ouvido de seus estudantes, como realizar, por exemplo, um passeio por um bosque de olhos vendados.



A paisagem sonora que fazemos parte e, portanto, vivemos, nos traz o sentimento de pertencimento, de fazer parte desse ambiente, pois povos e culturas diferentes apresentam paisagens sonoras diversas.

Murray Schaffer



Murray Schafer: os sons do mundo

Raymond Murray Schafer nasceu em 1933, no Canadá. Quando criança estudou piano com a mãe e, na adolescência, ingressou no Royal Conservatory of Music, em Toronto, onde teve aulas de piano e cravo. Não chegou a completar seus estudos. Passou por outros centros de formação acadêmica onde as finalizou, dedicando-se por anos a pesquisa, docência e criação. 
Após dedicar-se há mais de 10 anos a vida universitária, afastou-se e ao se retirou para um ambiente rural, onde os sons da natureza o inspiraram não só suas pesquisas acadêmicas, mas também as ideias acerca de educação musical: produziu o conceito de paisagem sonora. 
Schafer acredita que a qualidade da audição é o centro de uma boa educação musical. Para ele, é fundamental a relação equilibrada entre o homem, o ambiente e as diversas possibilidades criativas do fazer musical. Também acredita na importância do fazer musical criativo e em uma aula de música em que o estudante tenha espaço para expressar-se por meio dos sons e organizá-los como “sua” música.

Por comportar todos os sons de um determinado lugar, a paisagem sonora pode conter sons de diferentes naturezas (Torres e Kozel, 2010), como:

• os sons dos animais;

• os sons dos fenômenos da natureza (vento, chuva, trovões, mar etc.);

• os sons advindos dos objetos construídos pelos seres humanos (meios de transporte, ferramentas de trabalho, aparelhos eletrodomésticos etc.);

• os sons dos seres humanos (falas, sotaques, ato de caminhar ou correr, as músicas etc.), entre tantos outras possibilidades sonoras.



O envolvimento das crianças em ambientes e propostas artísticas, colabora com a promoção do desenvolvimento do senso estético, da criatividade, motricidade e cognição.


Na Educação Infantil os campos de experiência da BNCC têm como objetivo, entre outras coisas, de priorizar o desenvolvimento infantil de maneira holística, integrada.


Assim, os direitos de aprendizagem — conviver, explorar, participar, brincar, expressar e conhecer-se - junto com o campo de experiência Traços, sons, cores e formas são fundamentais para aprimorar e potencializar o ensino de Arte, e o desenvolvimento artístico.


Campo de experiência

A ideia leva em conta que bebês e crianças pequenas aprendem e se desenvolvem por meio de experiências do cotidiano, que devem ser planejadas com intencionalidade pelos professores. Os Campos de Experiências são baseados em seis direitos de aprendizagens e dois eixos estruturantes: a interação e a brincadeira.

Fonte: Movimento pela Base

Por isso, pensar na aplicação de paisagem sonoras para a Educação Infantil é criar significados pois, a própria BNCC coloca as crianças como protagonistas do processo no ensino de Arte, dando vazão à sensibilidade artística de maneira mais plena.


Produzindo uma galeria de sons com a paisagem sonora

Elaboramos uma sugestão de plano de aula para você trabalhar o campo de experiência Traços, sons, cores e formas por meio da produção de uma galeria sonora com o conceito de paisagem sonora e com o uso das novas tecnologias.


Componente curricular: Arte

Tempo sugerido: 50 minutos (duas aulas)

Ano: Educação Infantil

Campo de Experiência:

Traços, sons, cores e formas: Conviver com diferentes manifestações artísticas, culturais e científicas, locais e universais, no cotidiano da instituição escolar, possibilita às crianças, por meio de experiências diversificadas, vivenciar diversas formas de expressão e linguagens, como as artes visuais (pintura, modelagem, colagem, fotografia etc.), a música, o teatro, a dança e o audiovisual, entre outras. Essas experiências contribuem para que, desde muito pequenas, as crianças desenvolvam senso estético e crítico, o conhecimento de si mesmas, dos outros e da realidade que as cerca.

Objetivos de aprendizagem e desenvolvimento da BNCC:

(EI03TS01) Utilizar sons produzidos por materiais, objetos e instrumentos musicais durante brincadeiras de faz de conta, encenações, criações musicais, festas.


(EI03TS03) Reconhecer as qualidades do som (intensidade, duração, altura e timbre), utilizando-as em suas produções sonoras e ao ouvir músicas e sons.

Orientações de Desenvolvimento:

1º) Professor apresente para os alunos o tema da aula de hoje “a produção de paisagem sonora”.


2º) Converse com as crianças o que eles acham que é uma paisagem sonora. Deixe que criem hipóteses sobre o conceito.


3º) Professor explique o conceito de paisagem sonora e peça que elas consigam identificar esse tipo de som na paisagem: barulho da chuva, o latido do cachorro, o som do vento, um pássaro cantando etc. Faça uma lista com os sons localizados por eles.


4º) Professor passe para eles o vídeo “Paisagens Sonoras sobre obras de Tarsila do Amaral - uma viagem sonora”: https://bit.ly/31P2b11 para que consigam compreender o conceito na prática.


5º) Pergunte a eles o que eles acharam da produção da paisagem sonora da obra da artista. O que eles sentiram ao ver os sons dentro da obra de arte? Se gostariam de fazer algo parecido ou não.


6º) Professor pergunte a eles se eles sabem o que é uma galeria de arte. Explique que é um espaço que expõe as obras de arte e que eles irão produzir uma, mas será sonora.

2ª AULA

1º) Nessa aula, o professor irá resgatar como o que é uma paisagem sonora e quais sons foram identificados pelas crianças. Retome também o conceito de galeria como espaço de exposição artística.


2º) Peça que eles pensem em um som da paisagem e escolha um para gravar. Diga a eles que vão precisar da ajuda de um adulto para isso. Pode ser o miado do gato, o latido do cachorro, o barulho dos carros passando, o som da chuva entre outros. Escreva a lista de sons que serão gravados.


3º) Marque um dia para recebimento desses materiais, pois é uma atividade que precisa de ajuda de um adulto.


4º) Professor, com o material recebido, produza um podcast com os sons enviados pelas crianças, formando a ideia de galeria como um espaço de produção artística. Com a galeria pronta mostre aos pequenos como ficou a produção deles.


5º) É muito divertido ver como ficou a galeria sonora de paisagem sonora! É uma excelente atividade para pensar a arte como elemento integrador e de estabelecer relações entre as diferentes linguagens e suas práticas.



Elaborado por:



Professora Joseane Terto. Founder da Apliqueducação. Acredita que a Educação move e pode transformar o mundo e as pessoas. Fez mestrado na PUC-SP, cursa pós-graduação lato sensu em Computação Aplicada à Educação pela USP-São Carlos e é membro da Rede Nacional de Ciência para Educação (Rede CpE)


0 visualização

Assine nossa newsletter e fique por dentro!

© 2019 por Apliqueducação.

CONTATO

WhatsApp: 11 99667 8051

E-mail: contato@apliqueducacao.com.br

  • LinkedIn ícone social
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram